sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Marílson Gomes dos Santos é o principal nome do Brasil na São Silvestre

Marílson e o queniano Martin Lel, na coletiva | Sérgio Shibuia

O fundista do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA está bem preparado para tentar o tetra, mas terá de enfrentar um forte pelotão de africanos e o novo percurso

O fundista Marílson Gomes dos Santos, do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, é o principal nome do Brasil na 87ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, neste sábado (31), última prova de 2011. Marílson é tricampeão da São Silvestre (2003, 2005 e 2010) e o último brasileiro a ganhar a corrida (44min04). A largada para a prova masculina será às 17h30, em frente ao MASP, na Av. Paulista - as mulheres saem um pouco antes, às 17h10. Marílson observou que está bem preparado, mas terá de lidar com aspectos desconhecidos como o novo percurso e as condições climáticas do dia, além de um pelotão de bons corredores africanos que vieram para a corrida.

"Estou me sentindo bem, preparado para correr, embora eu preferisse ter mais uns dez dias para treinar antes da prova. Estou bem, só não sei se vai ser suficiente para ganhar. Este foi um ano bom - fiz minha melhor marca para maratonas, em Londres (2h06min34) e ganhei ouro nos 10 mil m no Pan. Mas um ano longo e desgastante em termos de competições, com duas maratonas e o Pan-Americano. Fiquei um pouco atrasado na preparação para a São Silvestre", disse Marílson, nesta quinta-feira (29/12), na entrevista coletiva promovida pelos organizadores da prova, em que encontrou o queniano Martin Lel, um de seus principais adversários.

Marílson, que já correu a São Silvestre sete vezes - tem três títulos, dois segundos lugares e dois quartos - disse que, por isso, "é um dos mais prejudicados com a mudança" - a chegada agora será no Obelisco do Ibirapuera. A prova terá, além da temida subida da Av. Brigadeiro Luiz Antônio, a descida de toda a rua, até a chegada. "Eu tinha um grande conhecimento do percurso, vantagem que agora deixa de existir. Mas acho que todos temos de estar preparados. Se a mudança foi feita para dar conforto e segurança a todas as pessoas que correm a São Silvestre é válida", afirmou Marílson. Disse que ainda é cedo para falar se a prova será mais rápida por causa da chegada em descida. "Vamos ter de esperar o desenrolar da corrida."

A prova do dia 31 de dezembro larga do Masp, na Avenida Paulista, cartão postal da cidade, e passa por outros pontos como Estádio do Pacaembu, monumento Duque de Caxias, Teatro Municipal, Viaduto do Chá, Largo São Francisco. A bandeirada será no Obelisco do Ibirapuera, onde estão os restos mortais de Cásper Líbero, idealizador da corrida.

Marílson, que estava na coletiva acompanhado do filho Miguel, de 10 meses, e da mulher Juliana, também atleta do Clube BM&FBOVESPA, disse que Martin Lel, o queniano que tem duas vitórias na Maratona de Nova York e três na de Londres é o principal favorito na prova. "Ele vai correr a Maratona de Dubai em janeiro e nessa altura tem de estar bem preparado. Mas todos que estão aqui têm marcas expressivas, como o Mathew Kisório que corre a meia maratona em 58 minutos. Os africanos estão entre os favoritos", destacou Marílson, que posou para foto ao lado de Martin Lel.

A prova do dia 31 de dezembro larga do Masp, na Avenida Paulista, cartão postal da cidade, e passa por outros pontos como Estádio do Pacaembu, monumento Duque de Caxias, Teatro Municipal, Viaduto do Chá, Largo São Francisco. A bandeirada será no Obelisco do Ibirapuera, onde estão os restos mortais de Cásper Líbero, idealizador da corrida.

Marílson fez seu melhor tempo para os 42 km e 195 m da maratona este ano, em Londres - 2h06min34. Além de tricampeão da São Silvestre (2003, 2005 e 2010), Marílson é bicampeão da Maratona de Nova York (2006 e 2008) e recordista sul-americano dos 5 mil e dos 10 mil metros, em pista, e dos 10 km, 15 km, 20 km e da meia maratona, em rua.

Entre as mulheres, Cruz Nonata, uma estreante em maratonas em 2011, também atleta do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, é destaque no pelotão de elite. Quarta colocada no ano passado, Cruz disse que fez seus treinos em Brasília e Campos do Jordão com o técnico José Alessandro. "São muitos os obstáculos - o novo percurso, as adversárias, o calor, a umidade, tudo.... mas se Deus quiser vai dar tudo certo", disse Cruz que vai correr uma maratona no primeiro semestre visando obter índice para a Olimpíada de Londres.

O Clube de Atletismo BM&FBOVESPA integra o Instituto BM&FBOVESPA e tem parceria com a Nike, o Pão de Açúcar e a Prefeitura de São Caetano.

Mais informações: www.clubedeatletismo.com.br 

via Local
-- 
FarolCom | Coletivo de Imprensa
INFORMAÇÃO | CULTURA | SERVIÇO