sábado, 8 de outubro de 2011

Mudança na tabela coloca Equador como 1º rival do Brasil

Maracay (VEN) - A seleção brasileira feminina de futsal foi pega de surpresa na terça-feira (4/10), data do embarque para a disputa do 4º Sul-Americano da categoria. A Bolívia, até então adversária da estreia, desistiu de participar do campeonato, mudando assim a tabela da chave B, a do Brasil.

O grupo A, formado por Argentina, Chile, Uruguai, Peru e pela anfitriã Venezuela não houve modificação. Com a saída das bolivianas, as brasileiras agora irão estrear contra o Equador, na própria sexta-feira (7).

O segundo compromisso das comandadas do técnico Vander Iacovino será somente na segunda-feira, diante das colombianas, teoricamente um dos adversários mais fortes da fase classificatória. E, por fim, a seleção do Paraguai, na terça, será o último rival no grupo B.

Todos os jogos da quarta edição do Sul-Americano feminino serão disputados no ginásio poliesportivo "Las Delicias". Se chegar a final, as brasileiras terão pela frente cinco confrontos, incluindo a semifinal e a decisão, que será no dia 14 (sexta-feira).

Primeiro treino em solo venezuelano será nesta tarde
Depois de uma desgastante viagem (mais de quinze horas de duração, incluindo transportes aéreo e terrestre) até Maracay, capital do Estado de Aragua, a comissão técnica da seleção feminina optou por não realizar nenhum tipo de atividade na manhã desta quarta-feira (5).

Na parte da tarde, às 17 horas local (18h30 no Brasil), as atletas irão a quadra para seu primeiro treinamento na Venezuela. Amanhã (6), visando a partida de abertura, os treinos serão divididos em dois períodos: matutino e vespertino.

Seleção feminina inicia atividades em Maracay
Em busca de seu quarto título consecutivo do Sul-Americano feminino de futsal, a seleção brasileira iniciou na tarde desta quarta-feira (5/10) sua preparação na Venezuela, em Maracay, local onde será realizada a quarta edição da competição internacional.

Sob o olhar atento do treinador Vander Iacovino e de toda comissão técnica, doze das quatorze atletas que irão representar o Brasil no norte da América do Sul treinaram forte nesta tarde, após folga pela manhã. Cely e Jéssika, entregues ao departamento médico, foram poupadas.

Durante mais de uma hora, o elenco brasileiro trabalhou a saída de bola em velocidade, relembrou algumas jogadas de ataque e aprimorou a marcação pressão com apenas dois toques na bola. Vander, quando necessário, paralisou as atividades para orientar suas jogadoras.

Segundo a fixa Taty, o escrete verde amarelo, ainda se recuperando da longa viagem, tem tudo para fazer uma boa estreia na Venezuela. Ainda de acordo com a jogadora da Unesc (SC), o Brasil não pode ficar escolhendo adversário.

"A viagem até aqui realmente foi cansativa, mas temos tudo para estrear bem, já que nossa equipe está preparada. Esse primeiro treinamento foi importante para nós, principalmente para soltarmos o corpo um pouco", analisou a defensora catarinense.

Ainda para Taty, o treino também serviu para ela e suas companheiras recordarem algumas das jogadas ensaiadas: "Além da soltura, nós aproveitamos para reensaiarmos algumas jogadas que trabalhamos durante o período em que estivemos concentradas no CT".

Nesta quinta-feira, um dia antes da estreia diante das equatorianas, as brasileiras voltarão a treinar com bola no final da tarde. Presente no grupo B, o selecionado nacional é o atual campeão do Torneio Mundial, que terá sua segunda edição realizada em dezembro deste ano, no Brasil.

Jogos da seleção na primeira fase:
- Brasil x Equador: sexta-feira (7), às 17hr local (18h30 pelo o horário de Brasília);
- Colômbia x Brasil: segunda-feira (10), às 13hr local (14h30 pelo o horário de Brasília);
- Brasil x Paraguai: terça-feira (11), às 17hr local.

Jéssika e Cely correm contra o tempo para retornarem
A ala Jéssika e a pivô Cely, ambas da UnoChapecó (SC), lutam contra o tempo para tentarem ajudar a seleção brasileira feminina de futsal na caminhada pelo tetracampeonato Sul-Americano da categoria.

Enquanto em Jéssika foi constatada uma fibrose, em Cely o problema é muscular. A pivô sofreu uma lesão muscular na coxa direita e ainda não sabe quando voltará a trabalhar com bola. As duas foram poupadas do único treino desta quarta-feira (5).

"Eu não sinto mais dor, mas sigo meu tratamento normalmente com o Pedro (fisioterapeuta da seleção). Ainda não tenho certeza de quando será minha volta, mas espero retornar a partir da segunda fase", comentou Cely, enquanto acompanhava o treinamento desta tarde e realizava tratamento no banco de reservas.

Sobre as jogadoras da seleção e da UnoChapecó, Mauro Fuziki, médico que acompanha as brasileiras na Venezuela, confirmou que nenhum dos dois casos é grave, mas Cely precisará de um tempo a mais para se recuperar.

"A Jéssika está poupada, mas não afastada. Já o caso da Cely não chega a ser grave, mas é uma lesão, ou seja, requer mais cuidado. Vamos seguir realizando alguns testes", analisou Fuziki.

A esperança é que a ala já trabalhe com bola na tarde desta quinta-feira, mas ainda não há nada confirmado. Do outro lado, a pivô dará continuidade ao seu tratamento.

Após longa viagem, brasileiras chegam à Venezuela
Caracas (VEN) - Confiante, a seleção brasileira feminina de futsal desembarcou na noite desta terça-feira (4/10) em Caracas, Capital Federal da Venezuela. Logo em seguida, a delegação nacional seguiu viagem de ônibus rumo a Maracay (mais duas horas), local onde será disputado o 4º Campeonato Sul-Americano da categoria. O Brasil fará sua estreia contra o Equador, na sexta-feira (7).

Comandado pelo técnico Vander Iacovino, o selecionado brasileiro teve uma recepção calorosa no Aeroporto Simon Bolívar, com direito a rosas e um grupo musical ao vivo. Em busca do quarto título consecutivo da competição, o elenco verde amarelo demonstrou otimismo no decorrer da noite.

"O entrosamento, já que mudaram apenas três jogadoras do grupo que foi campeão no Torneio na Espanha, é muito importante. Iremos passar por mais um teste, o maior até o nosso próximo desafio: o II Torneio Mundial, que este ano será realizado no Brasil", destacou a goleira Jozi, uma das mais experientes do elenco convocado por Iacovino.

Depois de quase uma semana de preparação em Caucaia (região metropolitana de Fortaleza – CE), no Centro de Treinamento Aécio de Borba Vasconcelos, as jogadoras chegam à Venezuela de olho em mais um título internacional. Para não ser surpreendida, a equipe se diz concentrada.

"O grupo convocado já se conhece bem, então as jogadas saem com mais naturalidade, o que facilita bastante. Eu mesmo, quando ainda atuava no Brasil, fui companheira de clube de algumas das atuais convocadas. Das adversárias não tem como afirmar qual é a mais qualificada, mas sei que algumas colombianas jogam na Liga Espanhola", disse a guarda meta.

Por fim, Jozi revelou que é uma honra ser a capitã de uma seleção tão vencedora. "Sinto-me honrada por ser a capitã do Brasil e, ao mesmo tempo, sei que a responsabilidade acaba sendo maior também", concluiu a chapecoense.

As 14 escolhidas do técnico brasileiro:
Goleiras: Jozi, Giga, Júlia

Fixas: Desirrê, Taty, Cilene

Alas: Neguinha, Marcela, Jessiquinha, Jessíka, Vanessa

Pivôs: Jú Delgado, Lú, Cely

Assessoria de Imprensa da Confederação Brasileira de Futebol de Salão
-- 
FarolCom | Coletivo de Imprensa
rede web de informação e cultura