domingo, 9 de outubro de 2011

Marílson passa mal e não completa a Maratona de Chicago

Calor atrapalhou Marílson em Chicago | Agência Luz/ BM&FBOVESPA

O calor atrapalhou o fundista do Clube BM&FBOVESPA na busca pelo índice olímpico para Londres/2012, a estreante Cruz Nonata terminou em nono

O fundista Marílson Gomes dos Santos, do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, sentiu um mal-estar e não completou a Maratona de Chicago, neste domingo (9/10). Na prova americana, o brasileiro buscava o índice para disputar a distância nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. O vencedor foi o queniano Moses Mosop, estreante em Chicago, com 2h05min37, recorde do percurso - o anterior era de 2h05min41 -, seguido pelo compatriota Wesley Korir, que completou a prova em 2h06min15.

Marílson, bicampeão da Maratona de Nova York e tricampeão da São Silvestre, largou bem e se manteve no pelotão da frente até metade da prova. "No km 26, começou a sentir enjoo e diminuiu muito o ritmo. Não conseguiria fazer um tempo bom, para o índice (2h18), e, como continuava a se sentir mal, parou no km 33", disse o técnico Adauto Domingues, que acompanhou o atleta em Chicago. "A temperatura subiu durante a prova e isso atrapalhou."

O fundista também reclamou da temperatura. "O clima estava bom no início da disputa, mas o calor foi aumentado. O isotônico que eu pegava nos postos de hidratação estava muito quente. Isso pode ter provocado o mal-estar", disse Marílson.

Agora, o técnico vai planejar com Marílson em qual prova o atleta voltará a tentar o índice olímpico. "Ainda vamos conversar sobre isso. Talvez ele dispute a Maratona de Roterdã, em 15 de abril." O prazo para a obtenção da marca termina em 29 de abril de 2012.

Entre as mulheres, Cruz Nonata, também do Clube BM&FBOVESPA, foi a nona colocada, em sua estreia em maratonas. Cruz, que também buscava o índice para Londres/2012 (2h30min07), completou a prova em 2h35min35. "A Cruz estava debutando na maratona. Acho que fez uma prova excelente, apesar de não ter obtido o índice", comentou Adauto. "O calor também atrapalhou a corrida dela. Mas acho que por ser sua primeira maratona, em clima quente, foi muito bom. Ela correu direitinho."

De Chicago, Marílson e Cruz Nonata seguem com o técnico Adauto Domingues para San Luis Potosi, para o centro de treinamento de La Loma, no México, onde o atletismo brasileiro faz seus últimos dias de preparação para o Pan-Americano de Guadalajara. Marílson já conquistou quatro medalhas em Pan-Americanos - duas de prata nos 10.000 m e duas de bronze nos 5.000 m, em Santo Domingo/2003 e no Rio de Janeiro/2007. O fundista obteve o índice no Desafio Internacional Olímpico, em maio, em São Paulo, quando correu os 10.000 m em 28min09s24.

"No Pan, o objetivo maior é a medalha, porque queremos ajudar o Brasil na classificação geral, mas sempre pensando em vencer a prova", observa Adauto, técnico do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA. "Os 10.000 m serão uma prova dura, tanto pela altitude de Guadalajara como pela presença dos mexicanos, que são muito bons. Mas o Marílson está numa boa temporada, vai poder brigar pelo ouro", acrescenta Adauto. "Antes do Pan, vou passar dez dias em La Loma e espero que sejam suficientes para me adaptar à altitude. Vou treinar pouco lá, esse período é mais para descansar e me recuperar da maratona de Chicago", disse Marílson.

Cruz Nonata, também do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, treina com José Alessandro e é orientada por Adauto Domingues na equipe. Na Meia do Rio, Cruz melhorou seu recorde nos 21,1 km, ao terminar em terceiro lugar - como a melhor brasileira -, em 1h11min50. Campeã do Troféu Brasil nos 5.000 m e 10.000 m em 2009, no Rio de Janeiro, ela disputará estas duas provas no Pan-Americano de Guadalajara.

O Clube de Atletismo BM&FBOVESPA integra o Instituto BM&FBOVESPA e tem parceria com a Nike, o Pão de Açúcar e a Prefeitura de São Caetano.

Mais informações: www.clubedeatletismo.com.br e www.clubedeatletismo.org.br

via Local
-- 
FarolCom | Coletivo de Imprensa
rede web de informação e cultura