sábado, 8 de outubro de 2011

Marílson corre em Chicago pelo índice na maratona de Londres/2012

Marílson, pelo índice olímpico em Chicago | Agência Luz/ BM&FBOVESPA

Fundista do Clube BM&FBOVESPA quer garantir vaga nos Jogos Olímpicos neste domingo (9/10) e, se o clima ajudar, ainda melhorar a marca pessoal, de 2h06min34

Marílson Gomes dos Santos está pronto para o principal desafio da temporada. Neste domingo (9/10), a partir das 5h30 (horário de Brasília), o fundista do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA disputa os 42 km e 195 m da Maratona de Chicago, nos Estados Unidos, para assegurar vaga na maratona olímpica em Londres, em 2012 - o índice estabelecido pela CBAt, equivalente ao índice B da IAAF, é de 2h18; o índice A da IAAf é 2h15. Se o clima ajudar, Marílson vai tentar também melhorar a marca pessoal na prova, de 2h06min34, obtida na Maratona de Londres, em abril deste ano - o tempo anterior, de 2007, era de 2h08min37.

O fundista está preparado para a conquista do índice em Chicago, segundo o técnico Adauto Domingues - o percurso rápido da prova americana também aumenta as chances de atingir o objetivo. "Foi tudo feito de acordo com o planejamento. O Marílson está superbem e, em Chicago, poderemos ter duas situações. A primeira meta é conseguir a marca para Londres. Então, se estiver ventando, ele vai correr para 2h09, 2h10. Mas se não estiver ventando, mesmo que faça um friozinho de 14, 15 graus, vai partir para melhorar a marca pessoal", diz Adauto.

Mas o técnico faz questão de frisar que o índice vem em primeiro lugar. "Desde que começamos a trabalhar juntos, em 2003, meu sonho e o do Marílson é participar de Olimpíadas. Pelo biótipo dele, decidimos, lá atrás, que a prova para isso seria a maratona, mais do que os 10 mil metros", conta Adauto. "Tentamos em 2004. O Marílson correu a Maratona de Paris e ficou a 50 segundos do índice. Depois, fez 2h08 em Chicago, que na época era o melhor tempo do Brasil. Até 2008, fez uma sequência de oito maratonas, conseguiu índice para Pequim, mas não foi muito bem lá (abandonou a prova antes do km 35). Agora, vai lutar para correr a maratona olímpica em Londres."

Marílson confirma que o principal objetivo em Chicago é mesmo conquistar o índice olímpico para 2012, embora também sonhe com o recorde pessoal. "Se o clima estiver bom, sem vento, se eu estiver me sentindo bem, vou tentar melhorar minha marca. Estou preparado para isso, mas é claro que existem fatores que não dependem da gente", diz o fundista, referindo-se às condições do tempo na hora da prova. Chicago é conhecida como a 'Cidade dos Ventos' - em outubro, os ventos atingem a velocidade média de 4,5 m/s.

Na preparação para a Maratona de Chicago, o atleta do Clube BM&FBOVESPA disputou - e venceu - o Campeonato Sul-Americano de Meia Maratona, em setembro, em Buenos Aires. Marílson completou os 21 km da prova em 1h01min12, bem à frente do segundo colocado, Jean Carlos da Silva, também do Clube BM&FBOVESPA, que marcou 1h04min45. "Fazer uma parcial rápida significa correr no pelotão da frente em Chicago, em que estarão alguns dos fundistas mais fortes do mundo", explica o técnico Adauto Domingues.

Marílson, bicampeão da Maratona de Nova York e tricampeão da São Silvestre, entra na Maratona de Chicago com o quinto melhor tempo entre os participantes - as 2h06min34 da Maratona de Londres. À frente dele estão o queniano Moses Mosop (2h03min06), o norte-americano Ryan Hall (2h04min58), o etíope Bozu Worku (2h05min25) e o queniano Evans Cheruiyot (2h06min25).

Depois da prova, o fundista e o técnico Adauto Domingues seguem diretamente para o centro de treinamento de La Loma, em San Luis Potosi, no México, onde o atleta fará a aclimatação para disputar os 10 mil m nos Jogos Olímpicos de Guadalajara.

O Clube de Atletismo BM&FBOVESPA integra o Instituto BM&FBOVESPA e tem parceria com a Nike, o Pão de Açúcar e a Prefeitura de São Caetano.

Mais informações: www.clubedeatletismo.com.br e www.clubedeatletismo.org.br

via Local
-- 
FarolCom | Coletivo de Imprensa
rede web de informação e cultura